sábado, 11 de fevereiro de 2012

Implante odontológico As vantagens do implante dentário (Implantodontia)


Seu sorriso seguro.
O tratamento de implante dentário ou implante Odontológico, vem nos últimos anos, inovando a odontologia estética e funcional. 
Os especialistas em implantodontia já podem usar o que hà de mais moderno na Odontologia, permitindo que a maioria dos pacientes, realizem um tratamento de reabilitação oral em pouco tempo.
Ainda pouco conhecido, mais uma das causas que afetam a maioria das pessoas é que com o passar dos anos, o atrito entre as arcadas superior e inferior, promovido principalmente pelo hábito inconsciente de ranger os dentes, faz com que os dentes se desgastem e percam altura. Isso provoca um desalinhamento entre o maxilar e a mandíbula. Agora imagine, quando há falta ou ausência total dos dentes?
A falta de dentes pode prejudicar minha saúde?
Sim. A Dra. Renata explica que, quando a mandíbula não está bem-posicionada, apenas uma parte da musculatura é usada durante a mastigação. Com a falta de uso, os músculos perdem o tônus e ficam precocemente flácidos, comprometendo a estética e a saúde. O músculo facial mais frouxo diminui a distância entre a base do nariz e a ponta do queixo, acentuando os sulcos ao redor da boca.  

IMPLANTE DENTÁRIO DOS MOLARES
Esta imagem apresenta o resultado de um implante Odontológico dos dentes molares do Maxila, parte superior do arco dentário. 
Veja que com o implante os dentes ficaram perfeitamente alinhados.
O material usado foi Titânio e Porcelana. 

Com a falta dos dentes, os músculos do rosto tornam-se ainda mais flácidos, fazendo com que a pele perca sustentação e se acumule na região do pescoço. O implante dentário Odontológico ou a reabilitação oral atenua o problema e a pessoa fica com a aparência rejuvenescida.

Existe contra indicação para o Implante dentário?

Apenas alguns fatores são adversos: como qualidade óssea, dificuldades de anatomia, má higiene bucal, osteoporose, pacientes que se submetem a radioterapia, diabéticos, pacientes portadores de marcapasso ou HIV positivo.
A idade pode limitar o tratamento de implante?
Não. A idade, não limita a aplicação do implante dentário. O implante pode ser realizados, tanto em pacientes jovens como idosos. Importante em todo trabalho realizado com implantes odontológicos é o seu planejamento cirúrgico e protético. Este por sua vez, é realizados com exames complementares como: Radiografias, Tomografias Computorizadas  Densitometria Óssea  Hemogramas, Glicemias, TS e TC e outros.
A grande maioria de pacientes que necessitam de implantes, já podem realizá-los nos dias de hoje, com maior facilidade, tanto pelas técnicas aplicadas, como pelo seu custo que também vem se tornando cada vez mais acessível.
O implante dentário é complicado?
Não. Devido a grande evolução a fase cirúrgica é bem simples e a traumática  sendo realizada na clínica ou no consultório e com anestesia local.
Logo após o período pós-operatório de mais ou menos 4 meses para a mandíbula (maxilar inferior) e de 6 meses para a maxila (maxilar superior), então, poderá ser instalada a prótese sobre o implante, que muitos benefícios trará, no sentido de melhorar a parte funcional e estética do paciente.

Deve-se manter ou extrair o dente para o implante?
É necessário analisar cada caso para tomar as medidas necessárias de acordo com as condições dos dentes.
A melhor maneira de fazer um
implante dentário.
A escolha entre manter ou extrair um dente para a colocação de implantes dentários. Olá para todos!!! 

Este mês escolhi escrever sobre um assunto bastante atual e polêmico da área Odontológica: A escolha entre manter ou extrair um dente para a colocação de implantes dentários. O motivo é que acabo de escrever um capítulo de livro que será lançado no Congresso Internacional de Osseointegração, a convite de dois amigos e professores do curso de especialização em Periodontia cujo faço parte. A ideia é alertar você no sentido de que o implante por si só não é a “maior maravilha do mundo”, quer ver? 


Atualmente, a escolha pela colocação de implantes em locais de dentes comprometidos periodontalmente parece óbvia e a extensa colocação de implantes na atualidade poderia ser explicada pelo grande conhecimento científico adquirido ao longo dos anos considerando as reabilitações conseguidas com implantes, que ganhou espaço e suporte entre dentistas, pacientes e a indústria, juntamente com a promoção mercantilista. 

A grande questão é que alguns profissionais acreditam que a doença periodontal é a grande causa de perdas dentais, mas de maneira geral, 60% das extrações dentais são por cárie dental e aproximadamente 30% por questões periodontais. Outro ponto interessante é que a literatura periodontal mostra que dentes tratados e mantidos sob monitoramento profissional, podem permanecer por longos períodos de tempo na boca, refletindo saúde e função. 

Quando comparamos estes dados com os índices de sucesso e manutenção de implantes na boca, os números mostram-se equivalentes, porém nos implantes há também a possibilidade de que ocorram complicações semelhantes à doença periodontal, como perda óssea e inflamação ao redor dos implantes, mas neste caso o tratamento se torna mais delicado, difícil e menos previsível.

Portanto, manter ou extrair dentes é considerado um dilema na clínica diária, não só pelo fato da emancipação da Implantodontia, mas também porque os aspectos que tangem a tomada de decisão no momento da extração não deveriam ser encarados de maneira simples e muito menos empírica, mas sim baseada em evidência científica, conceitualmente definida por Sacket et al (1996) como “o uso consciente e explicito da melhor e mais atual tomada de decisão sobre o tratamento individual de pacientes.” 

Isso implica em estar ciente das opções de tratamento, a escolha e desejos dos pacientes, as relações de risco-benefício e de custo-benefício, a curva de aprendizagem do profissional, o prognóstico da tomada de decisão clínica e do plano de tratamento escolhidos. 

Logo, antes de pensar em colocar implantes é necessária uma boa análise das suas condições bucais, assim como, o esclarecimento dos pontos positivos e negativos das opções de tratamento que você poderá escolher.